sexta-feira, 10 de junho de 2011

De volta ao escuro

Eu pedi que me acordassem
então, com um tiro no crânio
meu cérebro dilacerou-se pelo cômodo
sem rumo ou sentido
apenas voando em direções inconscientes
assim como meus pensamentos.

eu nao vi nada
apenas a bala dentro de mim
entranha talvez destruída.

Um pouco gélida
senti-me, finalmente,
em outra dimensão.
Onde não existem dores
nem mesmo ilusão.

Foi a bala certeira
que trouxe meu destino
o meu real caminho
para a tão esperada escuridão.

2 comentários:

  1. Ah, que legal o seu blog. Gostei muito de como você escreve, é bastante atraente para quem lê. Parabéns. Bom, te convido a visitar o meu POET (Pages Of Erased Text) http://pagesoferasedtext.blogspot.com/. De lá você pode ir ao “Illegitimate” novel. Espero que goste. Parabéns pelo blog. Cuide-se.

    ResponderExcluir