sábado, 22 de dezembro de 2012

Palavras não ouvimos, sentimos no ar


E foi assim
uma manhã conturbada
ela estava cansada
da vida, da casa
de tudo, de nada.

As brigas constantes
e um cansaço brotando
fugir ela foi tentando
ao  ir tirando livros das estantes.

Sonhar com outros lugares
visitar cidades imaginárias
sem realidade ou dores
sem um aperto no peito
ou milhões de lágrimas.

E foi assim
que ela partiu
e nunca mais dela se ouviu
uma palavra sequer falar.

2 comentários:

  1. Que bom que encontrei seu blog, mesmo que por acaso. Belas palavras...

    ResponderExcluir
  2. Adorei seu texto, pois é de uma intesidade poética magnífica. Feliz 2013 e que neste ano ímpar você consiga desvendar cada dia os mistérios dessa vida. Abraço fraterno, Jasanf.

    ResponderExcluir